Conhecendo a SolarEdge

Um pouco de história da Ecori com a SolarEdge…

 

Acho que contextualizar é bom. Tem praticamente um ano que a Ecori fala comigo sobre a tal da SolarEdge, e eles já estavam buscando trazê-los para o Brasil desde 2015. A expectativa, inclusive, é que eles tivessem já distribuindo o produto na Intersolar de 2017.

 

Mas, isso não aconteceu.

 

Ao invés de desistir, eles resolveram insistir e em dezembro de 2017 recebi o convite para ir com eles para Israel, na matriz da SolarEdge, como consultor, a fim de ajudar a definir qual a linha de produtos da SolarEdge poderia ser trazida e que atenderiam nossas normas de instalações (não as de produto, isso a Ecori tem experiência e corpo técnico mais do que gabaritado).

 

 

Conhecendo a SolarEdge

 

 

A SolarEdge fabrica e comercializa os otimizadores de potência (Direct current (DC) power optimizers).

 

Os microinversores e os otimizadores de potência fazem parte de um seguimento de mercado conhecidos como module-level power electronics, ou MLPE.

 

Esses equipamentos se caracterizam (bem resumidamente) em conseguir uma eficiência maior do sistema e normalmente possuem condições de segurança mais efetivas que os inversores tradicionais.

 

Essa categoria de produtos tem crescido a taxas maiores que o dos inversores tradicionais, a nível mundial. Pesquisa da GTM prevê que em 2020, mais de 70% do mercado americano de sistemas fotovoltaicos residencias seja de MLPE (micro inversores e otimizadores de potência).

 

Para mim, o tal dos otimizadores de potência eram novidades. Antes de ir fui estudar, e futuramente farei alguns posts sobre MLPE e otimizadores de potência, mas não estudei a empresa, e fui surpreendido positivamente com algumas coisas sobre a empresa.

 

 

  • A SolarEdge tem presença em 21 países e sistemas instalados em 120 países;
  • Líder de mercado mundial no segmento MLPE, com 60% de Market Share;
  • Ações listadas na Nasdaq;

 

 

 

Primeiras impressões

 

 

A primeira impressão foi excelente. Fomos recebidos pelo Yoni Ziv (VP Technical Sales), que tinha nossa agenda preparada para todos os dias em que estaríamos lá. A agenda previa que conhecêssemos todos os setores da SolarEdge, tendo uma ideia geral de como é a empresa.

 

 

No prédio em que estávamos, de 8 andares, 5 eram de P&D. Nem preciso dizer que o engenheiro aqui ficou LOUCO.

 

 

O grau de profissionalismo das pessoas que estiveram conosco era absurdo. Em 4 dias, passamos pelos principais setores da empresa, conhecendo, não só o produto em si, mas o pós vendas, o suporte ao cliente e a filosofia deles de trabalho.

 

 

Demorou para eles decidirem entrar no Brasil e para encontrar o parceiro, que no entender deles refletisse sua filosofia, mas a partir do momento que decidiram, a impressão que eu saí, é que eles vem com força total.

 

 

Pena que não deixaram a gente tirar foto do laboratório  .

 

 

 

MLPE da SolarEdge – Como funciona?

 

 

Bom, tudo muito legal, laboratório lindo, espaço agradável, pessoas muito agradáveis, mas e o produto? Mais um inversor?

 

 

O conceito do sistema SolarEdge é bem simples. E nós adoramos idéias simples, não?

 

 

Um inversor tradicional tem duas funções principais. A primeira, garantir a transferência da máxima potência, afinal, o sistema fotovoltaico tem como objetivo transformar energia solar em energia elétrica.

 

 

A outra função é converter a energia que está em corrente contínua para corrente alternada.

 

 

A SolarEdge se perguntou, por quê um único equipamento e não dois equipamentos, um para cada função?

 

Solaredge - Principio Funcionamento
Imagem extraída de material da SolarEdge Technologies

 

E foi isso que eles fizeram.

 

 

Levaram a função de garantir a máxima potência para outro equipamento que não o inversor. Esse equipamento, agora ligado a cada módulo ou conjunto de módulos (depende de potência e modelo), garante que cada módulo está gerando sua máxima potência naquelas condições.

 

 

Em um inversor tradicional, o inversor garante que o arranjo como um todos esteja gerando a máxima potência, o que será um valor menor do que o somatório da máxima potência de cada painel.

 

 

Lembremos que mesmo os módulos sendo o mesmo modelo e potência originalmente, eles vão se degradar de forma diferente, e a geração do arranjo sempre é prejudicada pelos módulos em piores condições.

 

 

 

Solução SolarEdge

 

 

Com o otimizador, a SolarEdge conseguiu que cada módulo esteja sempre trabalhando em suas condições ótimas e que não interfiram entre si.

 

 

Módulos com sombreamento deixaram de ser um problema para o arranjo todo e passaram a ser um problema pontual apenas. Limitações como módulos de mesmas características, mesma angulação, e azimute já não fazem mais sentidos.

 

 

Em seu depósito você tem 2 módulos da Jynko, 3 da Canadian, 4 da Risen e mais 2 da Seraphim? Bem, com a solução SolarEdge isso já não é mais um problema.

 

 

A solução SolarEdge utiliza TENSÃO CONSTANTE na entrada CC dos seus inversores. Lembra que a limitação do número de módulos em série era o Voc do arranjo corrigido pela temperatura?

 

 

No SolarEdge, não mais. O tamanho da série (string) agora é determinado pela potência e não pela tensão. Isso significa mais módulos em série, o que significa menos material (cabos, DPS, interruptores seccionadores, fusíveis).

 

 

Solaredge - vantagens
Imagem extraída de material da SolarEdge Technologies

 

 

SEGURANÇA

 

 

 

Dentre todas as características da solução, a que mais me agrada se refere ao quesito SEGURANÇA.

 

 

 

Em 2017 eu praticamente só falei disso. Tem sol, tem tensão. Como garantir a segurança do brigadista ou do Bombeiro Militar em caso de incêndio? Vamos partir do pressuposto que não vai ter incêndio?

 

 

Essas preocupações já constam do NEC (National Eletrical Code) e soluções para isso já são exigidos em vários estados americanos.

 

 

No Brasil, lamentavelmente, essa preocupação não faz parte de nossas regulamentações, e apesar de existirem soluções para isso, os distribuidores nacionais não buscam os equipamentos para isso.

 

 

Mas, agora, a Ecori e SolarEdge trazem a solução para isso (os microinversores também são solução para esses problemas apontados, mas para instalações maiores tendem a ter o custo menos competitivos).

 

 

E qual é a solução?

 

 

Simples (de novo .

 

 

 Se não tem tensão em CA, cada otimizador vai gerar uma tensão de apenas 1V, dessa forma, mesmo com vários em série ainda teremos tensão de segurança.

 

 

Procedimento padrão do Corpo de Bombeiros Militar quando vai combater o incêndio em uma edificação?

 

 

Desliga a entrada de CA, apenas a parte de emergência continua funcionando (bomba de incêndio, pressurização da escada de emergência) e a tensão do sistema FV, mesmo em condições de boa irradiação se mantém em tensão de segurança.

 

 

Se for um inversor tradicional? Mantém a tensão na faixa dos 1000V.

 

 

O Bombeiro foi treinado para combate a incêndio em FV? Não.

 

 

Ele sabe o que é isso? Não.

 

 

Ele sabe que tem 1000Vcc mesmo com a entrada CA desligada? Não.

 

 

Ele merece ter a vida colocada em risco que ele desconhece? Você decide…

 

 

Eu sei, eu sei, segurança não vende e você quer solarizar o Brasil…

 

 

Mas, sou teimoso.

 

 

Se a desculpa era custo muito mais alto com microinversor, aguardo a nova desculpa para instalações em Hotéis, Hospitais ou locais de alta afluência de público.

 

 

 

A Importância da SolarEdge para o Brasil

 

 

 

O mercado fotovoltaico é um dos segmentos que mais cresce no Brasil. Mas, por motivos incompreensíveis para mim, continuamos com o hábito de adotar soluções antigas e de esperarmos que os problemas ocorram para depois pensar neles, mesmo que em outros lugares isso já tenha ocorrido.

 

 

 

Preocupações com segurança, O&M, confiabilidade do conjunto (produto + instalação) estão sendo deixados de lado.

 

 

 

Como o mercado está crescendo, buscar novas soluções parece tolice. A iniciativa da Ecori de trazer a SolarEdge para o Brasil nada contra a corrente dominante do mercado.

 

 

 

 

A Ecori já fez isso anteriormente, com a decisão de apenas comercializar MLPE, iniciando com micro inversores, mesmo que o custo inicial fosse maior. Se me perguntassem a época, eu diria que eles estavam errados (ainda bem que não me perguntaram). Se me perguntarem agora sobre a SolarEdge, bem, agora eu acho que eles estão certos  .

 

 

 

Acredito que essa decisão Ecori e Solaredge possa tirar os distribuidores e integradores da zona de conforto das soluções que nós temos.

 

 

 

Afinal, a SolarEdge já é a 2 empresa de faturamento mundial em inversores e em alguns países possui 45% de market share, não vai vir para não ser relevante no mercado Brasil. 

 

 

 

A Ecori e a Segurança nas Instalações Fotovoltaicas

 

 

Por último no post de hoje, alinhando o discurso a prática, a Ecori em 2018 é uma das patrocinadores do Roadshow Qualidade e Segurança nas instalações elétricas e sistemas fotovoltaico e do Gerenciamento de Risco Elétrico organizados pela ABRACOPEL e pelos sempre incansáveis Edson Martinho e Meire Biurdes.

 

 

 

Não deixem de conhecer a agenda de eventos, estarei em todos os eventos, falando sobre segurança em eletricidade e Normas.

 

 

 

Onde comprar Solaredge no Brasil

 

 

Você pode obter mais informações sobre as soluções Solaredge diretamente com a Ecori, AQUI.

 

 

 

Fonte: 

 

 

 

Blog Vinicius Ayrão 

 

http://viniciusayrao.com.br/conhecendo-a-solaredge/